Linha Eurocard CP BCM2085

O CP é composto por módulos de dimensões no padrão Eurocard (160x100mm) alojados em bastidores totalmente metálicos, com barramentos de equipotencialização elétrica, com diversas capacidades de alojamento (6 módulos -BAS19/ 6, 10 módulos – BAS19/10 e 14 módulos – BAS19/14 ). As condiçóes ambientais de operação são: Temperatura de 0 a 55ºC e Umidade de 0 a 90% sem condensação.

Cada CPU pode suportar até 800 pontos de E/S digitatais e 160 E/S analógicas. O controlador pode ser ampliado facilmente a milhares de E/S.

Detalhes do Produto

Controlador de alto desempenho e elevada confiabilidade.

A montagem dos equipamentos BCM é simplificada pelo sistema “fast click” BCM. Este sistema disponibiliza todo um conjunto de cabos e acessórios produzidos industrialmente. Isto agiliza o processo de projeto, montagem e instalação dos armários.

Flexibilidade
Os alojamentos para os módulos eletrônicos foram pensados para oferecer ampla proteção eletromagnética, ambiental e mecânica. A eletrônica instalada em seu interior deve funcionar ininterruptamente de modo confiável e seguro.

Eletrônica confiável
Dimensões 3U que minimizam os efeitos mecânicos tais como flexões e deformações nas linhas condutoras da PCI. Também os conectores empregados no barramento são de alta resistência e qualidade. Nos módulos BCM, cada detalhe foi pensado no sentido de oferecer prioritariamente confiabilidade funcional.

Características Gerais

  • Centenas de módulos disponíveis;
  • Barramento de alta velocidade;
  • Diversos protocolos de comunicação;
  • Programação simples pela Linguagem Descritiva BCM;
  • Multiprocessamento;
  • Totalmente metálico e equipotencial;
  • E/S em sistema “fast click”;
  • Módulos com sistema de autoteste;
  • Retirada de módulos de E/S a quente;
  • Diversas arquiteturas de redundância disponíveis.

Tipos de módulos disponíveis:

  • Entradas Digitais: Com 16 (ED) e 32 (EDD) , nas tensões de 24Vcc, 125Vcc, 115Vac e 220Vac; 32 entradas digitais para eventos (EDE); e 8 entradas digitais supervisionadas para laços de incêndio (EDS), todos módulos com opção de troca a quente;
  • Saídas Digitais: Com 12 (SD) e 24 (SDD) saídas nas tensões de 24Vcc, 125Vcc, 115Vac e 220Vac, com opções de proteção contra curto circuito, “real readback” (CBO) e “troca a quente”;
  • Entradas e Saídas analógicas: Com 8EA/8SA de 12 bits (ANA); 8EA/4SA de 8 bits (ESA) ; 16 EA isoladas com processador local (EAI) ; e 8 entradas analógicas (3 para TCs, 3 para Tps e 2 em 4/20ma) isoladas para aplicação em sistemas de medição de corrente, tensão e potência AC e controle de energia elétrica (EVA),com opções para troca a quente;
  • Unidades centrais de processamento (CPUs): Funções de processamento e controle do sistema;
  • CPU4A – CPU4C – CPU6 – CPU6A – CPU7 – CPU8 – CPU9 – Diversos tipo s de CPUs , de 8 , 16 e 32 bits, com variada capacidade de processamento e memória de modo a atender diferentes aplicações com custo compatível;
  • Posicionamento e CN (MOT): Microprocessado que permite o controle de um eixo, com entrada para encoders, réguas ou outros sensores, saída para motor de passo ou servomotor. Possui “chip” dedicado para posicionamento, fazendo controle PID;
  • Contadores Rápidos (CTR): Com 2 canais até 100Khz, 20 bits (1.048.576 pontos de contagens), com versões para encoders, réguas, sensores, etc;
  • Comunicação (ISI): Interface serial com processador local, com 3 canais que podem ser configurados para os padrões RS232, RS485 e fibra óptica;
  • Interface Homem-Máquina:
    • Display – Display programador para Cps com 2 x 20 dígitos alafanuméricos tipo LCD e 20 teclas. Ligado diretamente à CPU (DPA);
    • Painel sinótico – Acionamento de até 128 LEDS (PAN);
    • Terminal de vídeo – Equipamento baseado em microcomputador, com teclado e vídeo.
  • Expansões (MEM): Reúne 4 bancos de memória RAM ou EPROM para expansão da capacidade do sistema, um relógio de tempo real independente, uma porta TTL de entrada de 8 bits para uso geral e um interface padrão Centronics para impressora
  • Mecânica: Bastidores para 6, 10 e 14 módulos (BAS 10/6, BAS 19/10, BAS 19/14);
  • Fontes: Entradas de tensão de 12, 24, 48 e 125 Vcc e 110 e 220 VAC. (FA3A, FA4, FA5, FA).

BASB Bastidores

Os bastidores BCM2085B foram projetados para alojar os módulos do Controlador Programável BCM2085B. Disponíveis em diversas versões, os bastidores tem construção metálica com barra de equalização elétrica para as frontais e blindagem de fundo.

Detalhes do Produto

O bastidor é composto por uma estrutura mecânica que suporta as placas e por uma placa de interconexão. Esta placa promove a ligação elétrica entre os módulos, conforme o padrão do barramento 2085. Existem duas estruturas para montagem de um CP modelo BCM2085B:

  • Um bastidor com capacidade para até 10 módulos mais a fonte de alimentação;
  • Um bastidor com capacidade para até 14 módulos mais a fonte de alimentação.

Além dos bastidores são oferecidos acessórios para fixar o bastidor pelo fundo e completar espaços.

Modelos:

  • BASB9-6;
  • BASB19-10E;
  • BASB14-10;
  • BASB19-10F;
  • BASB19-14F;
  • PFC;
  • FIF.

DPA – IHM/Display

O módulo BCM2085B/DPA possibilita a interação entre o usuário e o processo sob controle, através do programa do CP. A característica principal do módulo de display BCM é a bidirecionalidade na interface, ou seja, o display apresenta os valores obtidos no processo para leitura pelo usuário e, simultaneamente, o usuário pode intervir no processo, alterando parâmetros ou enviando sinais de comando através do teclado.

Detalhes do Produto

É composto por um display alfanumérico de duas linhas com 20 colunas cada e por um teclado instalado no próprio módulo.

O teclado, fabricado em policarbonato, é composto por duas teclas para avançar e recuar cursor, duas teclas para incremento/decremento do valor; dez teclas numéricas; uma tecla para comandar a entrada de valor; e quatro teclas de função programáveis. De acordo com o Sistema Operacional, as teclas de função têm o seu estado copiado em quatro variáveis de atribuição fixa. Esse recurso permite que comandos de partida do processo, parada, comandos de emergência, etc. possam ser incluídos no sistema sem a necessidade de entradas digitais adicionais.

A apresentação de mensagens e variáveis no display é definida pela instrução MOSTRA no programa do usuário. Desta forma, o programa pode apresentar qualquer grandeza que for importante no processo. A alteração de um valor via teclado provoca a mudança do valor na variável, a qual pode ser testada ou participar de operações no programa.

A conexão com o CP é feita através de uma porta paralela na CPU. A BCM pode fornecer cabos específicos para ligação da CPU3, CPU4, CPU6 ou CPU7, localizados a distâncias de até três metros do CP.

O projeto mecânico prevê a instalação do BCM2085B/DPA no próprio bastidor do CP. Para isso, o painel frontal e a caixa foram dimensionados no padrão Eurocard, ocupando o espaço exato de quatro placas padrão BCM2085B. A alimentação do DPA é feita pela própria fonte do CP através do cabo de conexão.

CPU9 – Unidade Central de Processamento

Ferramenta básica para desenvolvimento de aplicações para os Controladores Programáveis BCM. O módulo CPU9 é um módulo de processamento central para a linha BCM2085B. Mantendo compatibilidade com as aplicações desenvolvidas para as demais CPUs da linha, apresenta uma série de características adicionais e superiores em relação aos modelos anteriores.

Detalhes do Produto

A CPU9 oferece:

  • Flash-Eprom para o Sistema Operacional e programa do usuário;
  • Ram para variáveis, com retenção por supercap ou bateria;
  • Até quatro canais seriais de comunicação;
  • Até três canais Ethernet, protocolo TCP/IP;
  • Processador ARM de alta velocidade;
  • Interface para sincronização com receptores GPS;
  • Relógio/calendário;
  • Suporte para troca a quente dos módulos de entrada/saída;
  • Recursos adicionais de software para incrementar a capacidade de diagnóstico, aumentar a segurança e facilitar a depuração de problemas;
  • Capacidade para instalação de CPUs redundantes no bastidor;
  • Compatibilidade com os programas existentes em Linguagem Descritiva, Ladder e ST.

Outras versões:

A CPU8 oferece:

  • 512kB de flash-Eprom para o Sistema Operacional e programa do usuário;
  • 1MB de Ram para variáveis, com retenção por supercap ou bateria;
  • Até quatro canais seriais de comunicação;
  • Até dois canais Ethernet, protocolo TCP/IP;
  • Mais velocidade de processamento em relação aos modelos anteriores;
  • Interface para sincronização com receptores GPS;
  • Relógio/calendário;
  • Suporte para troca a quente dos módulos de entrada/saída;
  • Recursos adicionais de software para incrementar a capacidade de diagnóstico, aumentar a segurança e facilitar a depuração de problemas;
  • Capacidade para instalação de CPUs redundantes no bastidor;
  • Compatibilidade com os programas existentes em Linguagem Descritiva.

CPU7
O módulo CPU7 trabalha com um microprocessador de 16 bits (barramento externo) / 32bits (barramento interno). A programação da CPU7 é feita diretamente na Flash Eprom através do canal serial, usando o PROCP.

A CPU7 oferece:

  • 128kBytes em Flash Eprom reservados para o Sistema Operacional;
  • 64kbytes de Flash Eprom estação disponíveis para o usuário;
  • 64kBytes de RAM. Os primeiros 2,4k Bytes são usados pelo Sistema Operacional. O programa de aplicação tem um espaço em RAM disponível de 61,6kBytes, o que equivale a 29400 variáveis de programa;
  • A CPU7 tem embutido um relógio de tempo real. O uso deste relógio é feito através das instruções normais de programação.

Programação:
A CPU7 suporta as funções de apagamento, transferência e verificação de programa para o canal 1 (RS-232) e para o canal 2 (RS-485). O código de comunicação do novo programa carregado na CPU7 através do canal 2 só é assumido pela CPU7 quando o programa é liberado, senão vale o carregado anteriormente. Se na inicialização do programa foi constatado um erro de checksum ou alguma tecla do display foi pressionada e mantida (simulando erro de teclado), o código de comunicação que a CPU7 assume é igual a 99 para o canal 2.

O uso do simulador de tecla pressionada (conector DB25-MC com os pinos 16, 18, 19, 20 e 21 conectados entre si) só vale para a transferência de programa para o controlador, quando este é inicializado com o mesmo conectado.

Comunicação:
A CPU7 possui dois canais de comunicação serial nos padrões RS232 e RS485, com velocidade selecionável.

Usando o protocolo BCM2 pode-se escolher, através de comando de alto nível, qual canal será usado para conexão em rede. Este canal terá as funções ativas do protocolo e a pasagem de ficha. O protocolo BCM1 está também disponível no canal 1 (não está disponível no canal 2!) para monitoração via PC, transferência de programas ou para conexão com outros produtos.

Deteção de falhas:
A função do autoteste do Sistema Operacional permite detectar uma série de falhas elétricas na CPU7 e erros de consistência no programa de aplicação. Estas falhas são sinalizadas no display e nos led da CPU:

  • Erro de RAM: Apresenta uma mensagem específica no display, acende o led de erro e o programa de aplicação fica bloqueado;
  • Bateria: O led amarelo acesso indica que a bateria está OK;
  • Erro de checksum: Havendo um erro de checksum do programa, por um defeito de gravação ou de placa, aparece uma mensagem específica no display, acende o led de erro e o programa de aplicação fica bloqueado. O mesmo ocorre se não houver um programa de aplicação gravado na Flash;
  • CP bloqueado: Se o Controlador estiver bloqueado (via display ou computador), acende o led de CP bloqueado.

CPU6
A programação do módulo CPU6A é feita através do canal serial usando um cabo de conexão direta a um computador PC, com o software compilador BCM instalado

Características Gerais:

  • 128 Kbytes de Eprom para o sistema operacional;
  • 32 kbytes de flash-Eprom para o programa do usuário;
  • 64 Kbytes de Ram para variáveis do sistema e usuário, com bateria de retenção;
  • Um canal de comunicação serial padrão RS232, usado para programação e monitoração;
  • Um canal de comunicação serial padrão RS485, usado para interligação de até 32 equipamentos em rede;
  • Três portas de interface paralela, para conexão de um display numérico ou alfanumérico.

CTR – Módulo de Contadores Rápidos

O módulo BCM2085B/CTR, parte integrante do sistema BCM2085B, inclui no CP recursos para contagem de eventos, tratamento de réguas posicionadoras ou sensores incrementais, medição de períodos e temporizações, em uma velocidade muito superior ao que seria possível utilizando as entradas digitais na forma tradicional. A mesma placa possui ainda dois canais de entrada diferenciais que permite a leitura e comparação de sinais analógicos em alta velocidade.

Detalhes do Produto

A parte de controle digital possui dois canais com três linhas de entrada em cada um. Essas linhas podem ser configuradas de três formas diferentes para atender diversas necessidades. Estas configurações são obtidas através das diferentes versões da placa CTR:

Contagem de eventos com sensores up/down/reset
A linha A de cada canal incrementa o conteúdo do contador, a linha B decrementa e a linha R reseta o contador. As linhas A e B são ativas na transição positiva e a linha R é ativa no nivel alto.

Posicionador com sensores 90 graus
Os sinais nas linhas A e B estão sempre defasados de 90 graus. A transição positiva da linha A incrementa o contador se o sinal em A estiver adiantado em relação ao sinal B. Caso contrário, o contador é decrementado. O sistema prevê ainda o rebatimento dos sensores, inibindo a contagem nestes momentos.

Temporizador e medição de tempos
Nesta versão, cada canal funciona como um cronômetro usando a linha A como “start”, a linha B como “stop” e a linha R para limpar o registro. O programa do usuário pode ler e escrever nos contadores livremente, sabendo que se o “start” estiver disparado, o registro será incrementado a cada 13,02 uS (76.800 Hz).

Na parte de controle analógico, a placa apresenta dois canais de entrada diferenciais, isoladas galvanicamente do barramento do CP. O sistema tem condições de reconhecer a passagem por zero de uma entrada diferencial, em qualquer direção, numa velocidade muito superior a de leitura analógica.

A linguagem BCM, através do sistema operacional, suporta a leitura automática de até 5 placas CTR, com lançamento dos valores em variáveis. Tem também condições de programar interrupções locais na placa CTR para que, na ocorrência de um evento, a CPU atenda com prioridade a tarefa programada pelo usuário. Essa técnica resulta em uma alta velocidade de respostas em relação a varredura normal do programa.

  1. O conversor corrente tensão só é usado nas versões CTR/Ixx;
  2. As versões CTR/R1, CTR/R2 e CTR/CIT não possuem isoladores na entrada;
  3. Os circuitos de tratamento das entradas X e Y só existem nas versões CTR/Vxx e CTR/Ixx.