PROCP – Ambiente de Programação e Desenvolvimento de Soluções

O PROCP é uma suite de programas composta por editor, compilador, monitor, simulador e debugger. Oferece recursos para edição de programas em Linguagem Descritiva, Linguagem de relés (LD) e Texto Estruturado (ST) conforme a norma IEC61131-3, compilação, transferência de programas para o controlador e capacidade avançada de depuração de aplicações.

Detalhes do Produto

Principais Recursos:

  • Ambiente Windows;
  • Monitorização das máquinas, estados e todas as variáveis do programa;
  • Comunicação RS232 ou RS485 (Conversor);
  • Ajuste ‘online’ dos parâmetros PID e outras variáveis;
  • Janelas configuráveis e simultâneas de editoração e monitorização (real windows);
  • Leitura escrita direta na memória do CLP;
  • Depuração passo-a-passo, por bloco ou por flag dos programas;
  • Possibilidade de telediagnóstico de defeitos;
  • Armazenamento de variáveis para uso com outros utilitários windows.
  • A versão 5.0 traz o Graphical Screen Designer (GSD), ambiente interativo que permite aos técnicos o desenvolvimento de complexas soluções de interface homem máquina de forma segura e confortável.

Confirguração básica/Requisitos:

  • Computador PC com processador Pentium ou superior;
  • Um drive para CD-ROM;
  • Windows XP (Home / Professional / Advanced Server), Vista, Windows 7;
  • Um gravador de Eprom;
  • Um cabo de comunicação serial RS232 para transferência e monitoração do programa.

Linguagem de Programação – Descritiva (LD)

Desenvolvida pela BCM, esta linguagem pela estrutura lógica de alto nível e sintaxe em português, representou uma significativa contribuição para a difusão dos CP’s na indústria nacional e foi uma das pioneiras em termos mundiais com suas características. Hoje ela ainda é um dos mais avançados conceitos de programação de CP’s disponíveis no mercado.

Detalhes do Produto

A mais avançada linguagem disponível no mercado para a programação de CPs.

  • Reduz em 75% o tempo de programação;
  • Estrutura lógica universal – É a mesma estrutura lógica do pensamento humano;
  • Programação em sintaxe descritiva – O programa é praticamente a descrição do sistema a ser automatizado;
  • Multitarefas – Vários ramos lógicos são processados simultaneamente;
  • Estruturada – Permitindo uma abordagem mais organizada e participação do problema para sua solução;
  • Sintaxe em português – Facilitando o desenvolvimento e compreensão dos programas;
  • Documentação automática – O próprio programa já descreve o processo. A adição de comentários completa a documentação;
  • Diagnóstico intrínseco – A estrutura da linguagem facilita a depuração. A simples verificação do “estado atual” propicia uma clara visão dos possíveis problemas;
  • Linguagem de muito alto nível – Linguagens deste tipo estão sendo denominadas VHLL (very high level language);
  • Dezenas de funções – Abrangendo a maioria das necessidades de controle. Casos mais específicos podem ser resolvidos com rotinas em assembler rodando dentro do programa em alto nível;
  • Exemplos: se…então, faça, liga, desliga, calendário, contadores, temporizadores, operações matemáticas, posicionamento, PID, matrizes, impressão, display, etc.;
  • Estrutura – A linguagem é estruturada em máquinas ou malhas lógicas, estados e transições. Os programas são muito semelhantes à descrição do controle.

Recursos Necessários para Edição e Transferência do Programa para o CLP:

  • Computador padrão PC com Windows XP, Vista ou Windows 7;
  • Ambiente de desenvolvimento BCM PROCP;
  • Cabo de comunicação serial RS232 (específico para CPs BCM).

Redes e Protocolos de Comunicação

A capacidade de comunicação é uma característica essencial dos equipamentos de automação. Os controladores programáveis BCM oferecem recursos de hardware e software para atender os requisitos de conectividade dos sistemas de automação em todos os seus níveis.

A seguir são apresentados os protocolos mais usados e quadros que mostram os protocolos atendidos por cada um dos principais CLPs das linhas GP3000 e BCM2085B.

Detalhes do Produto

Principais protocolos:

Modbus RTU:
É um dos protocolos mais difundidos e utilizados para comunicação de dados em sistemas de automação industrial. O principal uso é nas redes de controladores programáveis para aquisição de sinais de instrumentos e comando de atuadores.

O mecanismo de controle de acesso é do tipo mestre-escravo ou Cliente-Servidor. A estação mestre (geralmente um CP) envia mensagens solicitando dos escravos que enviem os dados lidos pela instrumentação ou envia sinais a serem escritos nos registradores ou para o controle dos atuadores. O protocolo possui comandos para envio de dados discretos (entradas e saídas digitais) ou numéricos (entradas e saídas analógicas).

O seu esquema simples e genérico de mensagens torna o Modbus uma das soluções de rede mais baratas a serem utilizadas em Automação Industrial. A opção RTU se refere ao modo de transmissão onde endereços e valores são representados em formato binário.

Modbus TCP:
Com as mesmas características apresentadas acima para o Modbus RTU, no caso da opção TCP, os dados, ao invés de serem transmitidos diretamente pelo canal serial, são encapsulados em formato binário em frames TCP para a utilização do meio físico Ethernet (IEEE 802.3). Quando o Modbus/TCP é utilizado, o mecanismo de controle de acesso é o CSMA-CD (Próprio da rede Ethernet).

BCM2:
Protocolo desenvolvido pela BCM para aplicação nos seus controladores programáveis, apresenta características otimizadas de eficiência, segurança e funções específicas para as operações mais usadas nas redes de CLPs. O manual Redes e Protocolos de Comunicação BCM descreve detalhadamente a implementação e características do protocolo BCM2.

DNP3.0:
Este é um protocolo usado principalmente no setor elétrico e de saneamento, tipicamente para prover a conexão entre sistemas Scada e equipamentos e controle ou unidades terminais remotas. Também usado para conectar as unidades remotas a relés e outros dispositivos (IEDs).

Em comparação com o protocolo Modbus, por exemplo, tem uma estrutura mais complexa, mas que oferece fragmentação de mensagens, priorização, funções padronizadas, mensagens espontâneas, vários tipos de dados, tudo isso com uma definição mais formal tendo em vista a interoperabilidade entre produtos de diferentes fabricantes.

IEC60870-5:
É um protocolo usado para telecomando e supervisão no setor elétrico. Foi desenvolvido pelo IEC Technical Committee 57 para prover a conexão entre sistemas Scada e equipamentos e controle ou unidades terminais remotas. Rivaliza em objetivos e aplicações com o protocolo DNP3.0. Da mesma forma que o DNP, oferece estruturas para fragmentação de mensagens, priorização, funções padronizadas, mensagens espontâneas, vários tipos de dados, etc. Três variações deste padrão são as mais utilizadas:

  • IEC60870-5-101 – Protocolo básico para funções de telesupervisão e controle.
  • IEC 60870-5-103 – Protocolo com funções adicionais para interface com equipamentos de proteção usados em sistemas de potência.
  • IEC 60870-5-104 – Protocolo similar aos anteriores, mas usando o Ethernet TCP-IP como meio de comunicação.

NMEA/Meinberg:
São protocolos usados para a transmissão de mensagens de georeferenciamento e estampas de tempo em sistemas de automação. Consistem em mensagens simples (strings Ascii), normalmente transmitidos unidirecionalmente de um receptor GPS para um ou mais equipamentos de automação.

NMEA 0183 é um formato padronizado para essa comunicação, desenvolvido originalmente para a interface de produtos de aplicação marítima (sonares, anemômetro, GPS, etc.). Meinberg é um protocolo proprietário usado exclusivamente para transmissão de informações de estampa de tempo.